Redação Fispal Food Service

Descarte de óleo de cozinha: como fazer

O óleo de cozinha é um produto que pode gerar muitas dúvidas aos profissionais de estabelecimentos de alimentação fora do lar. Afinal de contas, se descartado de maneira incorreta, pode causar sérios danos ambientais, além de problemas na própria estrutura da cozinha.

E levando em consideração que um litro de óleo descartado incorretamente polui até 25 mil litros de água, é fundamental que os estabelecimentos saibam como realizar o descarte de óleo de cozinha da melhor maneira possível.

O que não fazer

O erro mais comum nas cozinhas dos estabelecimentos é jogar o óleo de cozinha direto na pia e isso pode gerar sérias consequências:

Dentro dos estabelecimentos, a caixa de gordura vai ficar sobrecarregada e as tubulações podem entupir, exigindo limpeza. Além disso, caso siga pelo sistema de esgoto e a cidade não conte com uma estação de tratamento, tende a chegar a um rio e poluí-lo”, explica Antonio Januzzi, gerente de novas tecnologias e meio ambiente da Estre Ambiental.

Isso significa que se a caixa de gordura não conseguir segurar o óleo, ele vai passar pelos encanamentos e chegar às redes que coletam o esgoto doméstico, resultando em dois destinos: a Estação de Tratamento de Esgoto da cidade (ETE) ou para os rios e o mar.

Um segundo erro que deve ser evitado é quanto à reutilização do óleo de cozinha por muitas vezes, pois com o tempo ele oxida e, segundo alguns estudos, pode produzir substâncias cancerígenas.

Como realizar o descarte correto?

Existem boas práticas, inclusive disponibilizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), quanto ao correto descarte de óleo de cozinha.

“O estabelecimento deve preferencialmente armazenar o óleo em recipientes apropriados e enviar para empresas que recebem esse tipo de material e o transformam em sabão, biodiesel, entre outros produtos”, afirma Januzzi. No caso de grandes cozinhas, uma dica é utilizar bombonas para o armazenamento e o futuro descarte – ou melhor, o envio para reciclagem.

Para aproveitar o óleo e evitar a sua rápida oxidação, uma regra é não deixar que a temperatura se eleve a ponto de produzir fumaça – o que indica que ele está queimando. O mais correto, entretanto, seria a utilização do óleo por apenas uma vez. Quando ele for armazenado, é necessário coar o óleo para retirar as partículas de alimentos que podem ter se soltado.

“É importante também treinar e conscientizar os funcionários sobre a necessidade do descarte adequado”, alertou Januzzi. O descarte de óleo de cozinha, portanto, deve ser feito de modo a enviá-lo a locais que recebem esse tipo de material. Há empresas, ainda, que retiram o óleo no próprio estabelecimento.

O que a reciclagem do óleo de cozinha produz?

Além do sabão caseiro, o correto descarte do óleo de cozinha também pode gerar:

  • Produção de resina para tintas;
  • Biodiesel;
  • Aditivo para ração de animais;
  • Massa de vidraceiro;
  • Detergente.

Gostou destas informações importantes? Para ficar por dentro de mais assuntos relacionados a estabelecimentos de alimentação fora do lar, acompanhe as novidades do blog da Fispal Food Service. Até a próxima!